quarta-feira, 20 de abril de 2011

Via Láctea

Representação artística da Via Láctea
e seus braços espirais
   Imagine ter que descrever como uma casa é, estando dentro dela. Você só vê sua estrutura interna, mas como saber como ela realmente é por fora ? Essa foi por muito tempo uma pergunta que motivou muitos estudos na astronomia, estudar a forma de nossa própria galáxia. Hoje sabemos que a Via Láctea é uma enorme galáxia espiral com uma barra no seu núcleo, e seu diâmetro é de aproximadamente 100 mil anos-luz, ou seja, aproximadamente 946 quatrilhões de km, e cerca de 30 mil anos luz de altura, ou 283,8 quatrilhões de km.
   Chamamos ela de Via Láctea devido a forma que ela aparece no céu, como um caminho esbranquiçado, como se tivesse sido derramado leite no céu, e pode ser facilmente vista em um lugar sem poluição, é fácil perceber algumas partes com brilho mais intenso, e até alguns aglomerados e nebulosas, dependendo do lugar de observação.
   Quando Galileu Galilei, no sec. XVII apontou pela primeira vez um telescópio para aquela mancha no céu ele percebeu que se tratava da luz de milhares de estrelas que não eram vistas a olho nú. O número de estrelas da nossa galáxia é muito impreciso, mas calcula-se que sejam mais de 200 bilhões, desse total somente cerca de 6 mil são visíveis a olho nú, mas basta apontar um pequeno binóculo para o céu e percebemos muito mais estrelas do que conseguimos ver sem ele.
   Segundo estudos, a Via Láctea é uma galáxia espiral barrada com quatro braços principais: Perseus, Norma, Scutum-Crux e Carina-Sagittarius, e pelo menos dois braços menores, um deles é o braço de Órion, onde está localizado o sistema solar.
   Assim como as outras galáxias espirais barradas, a Via Láctea tem uma forma achatada, como um disco, e seu núcleo está no centro, onde pode haver um buraco negro supermassivo com massa equivalente a de 4 milhões de sois, que tem força gravitacional suficiente para manter toda a estrutura da galáxia unida, girando ao seu redor. Por causa da forma da galáxia e da nossa localização, vemos a galáxia em perfil, seus braços não são visíveis pois estão passando um por trás do outro, e há uma quantidade muito maior de aglomerados e nebulosas na região por onde passa o "rastro" da Via Láctea, o núcleo é uma região com muita poeira e nebulosas e fica na direção da constelação de Sagitário.
Fotografia de alta exposição mostrando uma visão panorâmica do
caminho da Via Láctea no céu, à esquerda as duas galáxias satélites,
PNM e GNM, e à direita pode-se ver a Gigante galáxia de Andrômeda,
nossa vizinha mais próxima a 2,5 milhões de anos-luz.
   No halo (região ao redor da galáxia) se encontram vários aglomerados globulares que são como satélites da Via Láctea, e tambem duas galáxias irregulares pequenas, a Grande Nuvem de Magalhães (GNM) e a Pequena Nuvem de Magalhães (PNM), que podem ser vistas como uma mancha desprendida na faixa da Via Láctea.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário